quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

PESQUISADOR DE SÃO MANUEL É CONTRA O ASFALTAMENTO DE ALFREDO GUEDES

              O pesquisador histórico de São Manuel Eduardo Ayres Delamonica postou dia 17 de janeiro em seu blog – Cetro de Pesquisa e História de São Manuel um apelo pelo não asfaltamento do Distrito de Alfredo Guedes, em sua coluna intitulada de Editorialblog, fez várias considerações ao desaparecimento da história em nosso distrito, que paulatinamente vai se perdendo.

              Com propriedade falou em uma escala evolutiva apontando os problemas aqui encontrados com a dilapidação de nossa memória, fazendo um apelo sóbrio às autoridades do município.

             Segue abaixo a íntegra do postado em seu blog

___________________________________________________________________________

DISTRITO DE ALFREDO GUEDES ESTÁ PERDENDO SUA IDENTIDADE HISTÓRICA


                            Em muito trabalho no resgate da memória de nossos ancestrais, nossa região é rica como um todo em sua história, não podemos aqui falar da história de Botucatu sem citar São Manuel, Lençóis Paulista, Agudos, Bauru, Barra Bonita, Pontal do Paranapanema etc. e vice e versa, na verdade toda a região está interligada pela história, foi construída pelos desbravadores que acunharam os nomes através das trilhas abertas em matas, de tijolos sobrepostos um a um, da construção de cidadelas, igrejas, enfim, construíram todo o complexo que hoje conhecemos por cidades, municípios e distritos.


De encontro com a interligação histórica a povoação de Lençóis Paulista teve início em meados do século XIX, quando o sertanista mineiro, José Teodoro de Souza, fixou residência no local. Uma outra versão atribui a fundação a Francisco Alves Pereira que, desligando-se de uma caravana destinada a Goiás, explorou o rio, mais tarde chamado “Lençóis”, porque suas espumas brancas eram semelhantes a lençóis. O patrimônio do Bairro de Lençóis, no território de Botucatu, teve início com a construção da capela em louvor à Padroeira Nossa Senhora da Piedade, sendo elevado à Freguesia Distrito, em 1858. Poucos anos depois, 1865, foi elevado a Município. Por existir na Bahia uma localidade chamada Lençóis, mais antiga, sua denominação foi alterada em 1944, para Ubirama, escolhida em virtude da cana-de-açúcar ser cultivada em grande escala no Município. O primitivo nome foi novamente adotado em 1948, acrescentando-lhe “Paulista” para diferenciar da Cidade baiana.

Armazém em Alfredo Guedes - 1908


A Capela de São João de Areia Branca em 1918 cedeu o nome em homenagem a Alfredo Guedes ao córrego que margeava o local. O Distrito de Alfredo Guedes foi criado pelo decreto nº 6753, de 06-10-1934 e anexado ao município de Lençóis, lugar prospero para sua época tinha cartório, estação ferroviária, farmácia e muitos estabelecimentos comerciais.

A imagem esculpida de São Bom Jesus data de 1926 foi restaurada e hoje se encontra exposta no Memorial Alfredo Guedes. No entanto o distrito antes era denominado de São João Areia Branca que teve sua Estação Ferroviária construída em 1898.

Quem não conhece deveria, é um local que nos remete a história de nossos antepassados, muito bem preservado lindo, aprazível, passível de nos remeter ao mais distante passado, local bem preservado.

No entanto, infelizmente ao longo dos anos vem sofrendo a depredação histórica que acompanha aos ignorantes que infelizmente não cultuam e respeitam a memória dos antepassados. Pessoas desprovidas de valor do resgate de memória que assombram a cada investida a desmoralização e dilapidação do acervo da própria sociedade, como se soçobrassem pela própria convicção medíocre e mesquinha, inebriados pela fumaça que fazem sem objetivo algum.

A dilapidação histórica começa na década de 80 onde foram arrancadas todas as arvores da Praça do Bom Jesus que era a característica de toda praça antiga, sem um estudo programado, arvores, algumas centenárias, foram dizimadas sem sobrar uma que fosse testemunha do melancólico assassinato da história. No mesmo período se foram os lindos postes e pedestais trabalhados com os originais globos de iluminação estes davam à paisagem ares de verdadeiras cenografias de novelas de época.

Recentemente, o mais ilustre nome da história de Alfredo Guedes foi soterrado no processo de municipalização do ensino, sufocaram o nome da dedicada Professora Cecília Marins Bosi, formadora de opinião, esposa do Dr. Gino Bosi este farmacêutico da localidade nos anos 30, destinando-a ao esquecimento. Dona Cecilia, já lecionava para as crianças do lugar muito antes da construção da escola, em barracões de tábua onde agregava seus alunos e exercia com maestria seu magistério.

Certamente uma mulher cuja a garra e o sacerdócio lhe trouxeram a qualificação para a justa homenagem. Excluindo assim a identidade de todos os alunos que por ali passaram. Com a atitude houve a unificação das duas escolas pertencentes a Alfredo Guedes, o infantil que se chamava Philomena Briquesi Boso e o fundamental que tinha como nomenclatura E.E.P.G. Cecília Marins Bosi, dessa fusão apagaram a memória de Dona Cecília, deixando uma lacuna instransponível no tempo e na realidade histórica guedense. Foi uma das mais marcantes ingratidões já registradas no contexto lençoense.    

Como se não bastasse a falta de sensibilidade das autoridades, houve também a dilapidação dos moveis históricos, antigos, que compunham a sala de espera e a diretoria da escola, lá haviam, a mesa de centro, porta chapéu com espelho, escrivaninha, todos bem conservados e sumiram, devo salientar que tais móveis seriam destaques no acervo do Memorial Alfredo Guedes.      

Existem rumores fortes de mais uma mutilação da história em Alfredo Guedes, o asfaltamento das ruas, não me parece uma opção acertada vez que tal empreendimento ira descaracterizar um local tão importante na história de nossa região. Muitas pessoas ligadas as pesquisas e história de nossa região não estão vendo com bons olhos esta atitude.

O asfaltamento embora um benefício, trará mais um enterro sobre os paralelepípedos que há muito traduzem a existência de um dos poucos lugares agradáveis, que poderia e muito ser explorado pelo turismo.

O Distrito Alfredo Guedes tem uma característica soberba sobre o manto do tempo que não pode ser apagada desta forma. Devemos preservar e não dilapidar, esta é a máxima, imagine Ouro Preto toda asfaltada, seria um descalabro.


Assim devo rogar à sensibilidade do Prefeito de Lençóis Paulista Anderson Prado de Lima e do seu Diretor de Bairro JR. Ticianelli. Ao prefeito local entendo ser pessoa dotada do mais puro bom senso, embora não o conheça tenho boas recomendações sobre o mesmo.


Senhor Prefeito é sua chance de resgatar a memória desta localidade, nesta linha eu como pesquisador histórico Eduardo Delamonica, já efetivei diversas incursões ao Distrito de Alfredo Guedes, onde constatei o que estou dizendo aqui.

A mim não é reservado tão somente o grito solitário, muitos aqui clamam por esta avaliação, como de pessoas importantes que entendem que esta história não pode ser enterrada simplesmente com uma camada de piche, devo evidenciar aqui o apoio a este protesto da Vereadora de Lençóis Paulista senhora Mirna Justo, a pesquisadora de Alfredo Guedes senhora Celia Motta a Equipe Aventureiros do Túnel o Senhor Waldemar Bicudo, ainda serão pedidos os apoios que certamente ouvirão nossos gritos do pesquisador de Botucatu João Figueroa ao Professor Doutor Edson Fernandes ao Senhor Thiago Melego dono do Site Área 14 e mais pesquisadores de toda a região. Será uma manifestação de apoio que tem como base a preservação histórica do Distrito de Alfredo Guedes.


Ao prefeito de Lençóis Paulista fica aqui nosso pedido, não asfalte um tesouro histórico que este município tem.     

terça-feira, 10 de janeiro de 2017

VENTOS E VOZES

""VENTOS E VOZES""

A CHUVA, DESDE OS MAIS REMOTOS TEMPOS, SEMPRE DEIXOU-ME NOSTÁLGICA E COM A SENSIBILIDADE A FLORESCER.
 O BARULHO DE NOSSAS ANTIGAS ÁGUAS, OS CHEIROS QUE RETORNAM DE NOSSAS TERRAS SEMPRE FÉRTEIS.
 AH! AS FOLHAS E ARBUSTOS ENCHARCANDO-SE COM O RETORNO MILENAR DAS SEMPRE SANTAS ÁGUAS EM SEU CICLO CONSTANTE DE IDAS E VINDAS...
 MAS HOJE, MISTICAMENTE OS VENTOS VIERAM ME BUSCAR...VOZES DE OUTRAS DIMENSÕES LEVARAM-ME SEM RESISTÊNCIA ALGUMA... SENTI MESMO VONTADE DE ENTREGAR-ME ÀQUELA FLUTUAÇÃO ENFEITIÇADA DE MAGIAS E ENCANTAMENTOS DE VIBRAÇÕES SECULARES.
 SUSSURROS AO MEU OUVIDO ANUNCIARAM-ME A CHEGADA NUM OUTRO TEMPO... ENTRETANTO, NO MESMO ESPAÇO.
 E ENCONTRO-ME COM A PERSONALIDADE INTRIGANTE DO DR. ALFREDO GUEDES!
 AINDA ENVOLTA PELOS SUSSURRANTES VENTOS, ADENTRO A GUARDIÃ ANCESTRAL, "CAPELA DA AREIA BRANCA"!!!
 REVERENCIO EM DEMORADA INCLINAÇÃO TODOS OS ANTEPASSADOS QUE ME RECEBEM... AGRADEÇO À DIVINDADE PELA OPORTUNIDADE DA SAGRADA BUSCA... LEVANTO-ME A PEDIR LICENÇA...
 E AO MEU LADO, ALTO, LONGILÍNEO, ME ACOMPANHANDO JÁ HÁ MUITAS LUAS, O DR. ALFREDO GUEDES.
 POLÍTICO E EMPREENDEDOR, COM A BAGAGEM DE DEPUTADO ESTADUAL ENTRE 1892 A 1894 E 1898 A 1900; SECRETÁRIO DOS NEGÓCIOS DA AGRICULTURA NA VIGÊNCIA DO MANDATO DO CORONEL FERNANDO PRESTES, ADVOGADO E JORNALISTA.
 PROPRIETÁRIO DO JORNAL "TRIBUNA LIVRE" DE CASA BRANCA, E COLABORADOR DE OUTROS IMPORTANTES JORNAIS DO ESTADO DE SÃO PAULO; UM ESTADISTA POR DEFINIÇÃO E PERSONALIDADE, CONDUTA E SENTIMENTO!
 FILHO DE JOSÉ GUEDES, BARÃO DE PIRAPITINGUI, CAFEICULTOR E GRANDE CAPITALISTA.
 ALFREDO FOI TRAZIDO AO MUNDO, NA CIDADE DE CAMPINAS, NO ANO DE 1868, COM O COMPROMISSO DE DESENVOLVER INTENSA E EXTENSA TRAJETÓRIA POLÍTICA E SOCIAL... E ASSIM FEZ!
 PRESTOU RELEVANTES SERVIÇOS PARA O ESTADO DE SÃO PAULO, TEVE IMPORTANTÍSSIMA ATUAÇÃO COMO ARTICULADOR DA IMPLANTAÇÃO DA CIDADE DE TAMBAÚ, GRANDE BENFEITOR DE PIRACICABA E REGIÃO, BEM COMO NA IMPLANTAÇÃO DA ESCOLA AGRÍCOLA LUIZ DE QUEIRÓZ.
 DESCUBRO ENTÃO, QUE SEU BERÇO FOI DE PRIMORDIAL DECISÃO NA ORIENTAÇÃO DE SUA JORNADA.
 SUA IRMÃ TROUXERA CONSIGO, PEDRAS A LAPIDAR, BRILHANDO NA SEMANA DE ARTE MODERNA DE SÃO PAULO EM 1922... CULTURALMENTE REVOLUCIONÁRIA; OLÍVIA GUEDES PENTEADO, VIVEU POR TEMPOS EM PARIS, DE ONDE TROUXE EXEMPLARES DE EXPOENTES ARTISTAS.
 ASSIM COMO A IRMÃ, ALFREDO TRAZIA NA GENÉTICA FÍSICA E ESPIRITUAL, OS ELEMENTOS REVOLUCIONÁRIOS E SAGRADOS DE UMA ÉPOCA.
 E OUÇO O CAVALHEIRO A CONTAR-ME DE NOSSA "CAPELA DE AREIA BRANCA", DOS TRILHOS DA ESTRADA DE FERRO E SEUS ESTRIDENTES TRENS DE SONHOS, DESDE OS IDOS 1898. ALFREDO PRESENCIARA A ANTIGA GUARDIÃ, CAPELA DA AREIA BRANCA  LUTARA, NUMA ÉPOCA EM QUE SEUS INTENTOS DESABROCHARAM NA REALIDADE CRESCENTE DO OURO VERDE DO CAFÉ!
 CAPELA DA AREIA BRANCA, EM 1918, CEDEU SEU NOME QUE HOMENAGEAVA O NOSSO CÓRREGO, PARA REVERENCIAR A PERSONALIDADE MARCANTE DO HOMEM QUE ALI FREQUENTAVA. JÁ ERA NOSSO, O ALFREDO DA CAPELA DA AREIA BRANCA. AREIAS BRANCAS DE ALFREDO, O GUEDES DE NOSSOS CÓRREGOS, DAS ÁGUAS SANTAS QUE VÃO E RETORNAM.
 A ACOMPANHAR-ME... A BUSCAR-ME COM OS VENTOS E AS VOZES!
 CASOU-SE COM ALBERTINA AZEVEDO GUEDES, MAS NÃO TIVERAM FILHOS, QUE NÃO FOSSEM O SEU LEGADO PARA A HISTÓRIA.
 E OS MESMOS VENTOS E AS MESMAS VOZES QUE ME ENVOLVERAM EM MISTERIOSA VIAGEM AO PASSADO, LEVARAM ALFREDO AINDA MUITO JOVEM PARA OUTRAS PARAGENS,






AOS 36 ANOS!
 BELO E INTELIGENTE! CULTO E ÚNICO!
 CAVALHEIRO A ACOMPANHAR-ME, UM PRÍNCIPE EM SEUS MODOS...E DEIXA-ME AOS OUVIDOS A PROMESSA DE OUTROS VENDAVAIS...
 EU ESPERAREI, ALFREDO...


 CÉLIA MOTTA

DR. ALFREDO GUEDES

DR. ALFREDO GUEDES...


VENTOS E VOZES... ME LEVAM... ME TRAZEM... ALVOROÇANDO-ME.

SINA DE GARIMPEIRA... EMOÇÃO POR VOCAÇÃO!

CORAÇÃO MATERNO SEM FILHOS... PARINDO NINHADAS DE HISTÓRIAS... ALMA GUARDIÃ DAS ANCESTRAIS MEMÓRIAS! EMBALANDO SEGREDOS EM DANÇA FRENÉTICA...

VAGALUMES A PONTILHAR A ESCURIDÃO... É O NOSSO REGRESSO!

ALFREDO... ALFREDO... ALFREDO...

GUIA PERFEITO!

CÔNCAVO DE MINHA ALMA; DE MEU ESPÍRITO, O CONVEXO...

INSPIRAÇÃO DA PAIXÃO! DA BUSCA, O MEU CHÃO!

ALQUIMIA DE IDEAIS E DE DESEJOS, BROTOU.

EM MINHA PELE FAZ-SE QUENTE E PRESENTE AQUILO QUE FORA O SEU DOM...


ENTREGO-ME INTEIRA... E ENTÃO SEGUES COMIGO... AGORA SEI: A GARIMPAR... GARIMPAR...

CÉLIA MOTTA.

quinta-feira, 23 de junho de 2016

SEGUNDO ENCONTRO DE BANDAS E FANFARRAS DE ALFREDO GUEDES


SÁBADO DE FESTA E REENCONTROS NA SURREAL E MÍSTICA GUARDIÃ DE LENDAS!
VENHAM REVER AS NOSSAS MEMÓRIAS!
VIAJEMOS NO TEMPO, RUMO AO PASSADO!
VOLTEMOS NÓS, PARA OS BONS E VELHOS TEMPOS DAS BANDAS NOS CORETOS!
REGRESSEMOS PARA O CHARME DAS BANDAS MARCIAIS!
MIREMOS O CÉU AZUL ALFREDOGUEDENSE, PONTILHADO DE ASAS BRANCAS E ATEMPORAIS... MÁGICOS POMBOS A VOAR E REVERENCIAR NOSSOS ANCESTRAIS!!!

CÉLIA MOTTA

terça-feira, 12 de abril de 2016

Dr. Geraldo Pereira de Barros

Nasceu em São Manuel, estado de São Paulo, filho de Antônio Emydio de Barros e de Eliza Pereira de Barros em 21 de março de 1910.
 Passou sua infância na Fazenda Redenção em São Manuel com seus pais e irmãos, onde fez seus primeiros estudos.

 Posteriormente foi estudar com os Padres Jesuítas em São Paulo (Colégio São Luiz); Rio de Janeiro (Colégio Santo Ignácio) e depois em Friburgo no Estado do Rio, onde concluiu seu curso secundário. Ainda estudou nesse período em Jaboticabal, São Paulo, também em colégio orientado pelos Jesuítas.
 Aos 17 anos embarcou para a Europa onde viveu durante 03 anos tendo conhecido praticamente toda Europa. Nesse período cursou e se formou em um curso de Química Industrial em Hamburgo na Alemanha.
 Retornando, passou a se dedicar aos negócios da família, principalmente a agropecuária.
 Em 1937 casou-se com Dinah de Paula Barros, nascida em Bocaina, São Paulo, onde residia com seus pais e em Jaú onde tinham propriedades.  O casal teve 03 filhos: Eduardo de Paula Barros, Geraldo Pereira de Barros Filho e Jacinto José de Paula Barros.
 Iniciou sua vida pública por volta de 1945 em Lençóis Paulista, onde sua família possuía propriedades, na função de Provedor da Santa Casa de Misericórdia, então em construção.
 Foi eleito Prefeito Municipal de Lençóis Paulista em 1948, concorrendo como candidato único, tendo em vista o sucesso de sua participação na construção da Santa Casa Local. Sua administração foi bastante profícua, destacando-se o saneamento do rio Lençóis, a abertura da cidade com diversos loteamentos urbanos feitos pela Prefeitura. Conseguiu ainda junto ao governo do Estado diversas melhorias como: Posto de Saúde, Escolas, a criação e a instalação da Comarca, contando com o apoio de seu irmão o Governador Ademar de Barros.
 Encerrando seu mandato transferiu-se para São Manuel onde em 1952 foi eleito Prefeito. Em sua administração diversas obras foram realizadas entre outras: o Mercado Municipal e o prédio dos Correios e Telégrafos.
 Em 1954 foi eleito Deputado Estadual com significativa votação em toda a nossa região, sendo o 2º mais votado em todo o Estado de São Paulo. Sua atuação parlamentar sempre foi voltada para o interior, principalmente para a nossa região o que lhe granjeou grande número de amigos. Com sua atuação para Barra Bonita foi um dos que mais batalhou defendendo as olarias daquele município quando da construção da Usina Hidroelétrica pela qual foi um dos grandes lutadores. Como deputado foi o autor do projeto que emancipou Igaraçu do Tietê atendendo reivindicação tanto de Barra Bonita quanto de Igaraçu do Tietê.
 Em 1958 foi reeleito Deputado Estadual novamente com significativa votação em toda a região, procurou atender e amparar as Instituições de Caridade, tendo construído com os seus subsídios da Assembleia os primeiros Hospitais e Casas Maternais em Pardinho, Santa Maria da Serra e Areiópolis.  Além da Saúde a Educação constituiu sua preocupação permanente, onde inúmeras escolas foram criadas, ampliadas ou reformadas em decorrência de sua incansável atuação, inclusive a instalação do Curso do Magistério em Barra Bonita.
Em 1962 é eleito Deputado Federal, representando a nossa região. Continuou sua luta por todas as cidades da região, particularmente as que lutavam para crescer como é o caso de Barra Bonita. Durante esse período sua atuação foi decisiva para a instalação do Hospital das Clínicas de Botucatu, batalhando muito pela instalação dos cursos de Medicina, Agronomia e outros da UNESP em Botucatu, que até hoje atendem toda região.
 Em 1966 deixou a vida pública já vitimado pela doença que acabaria por ceifar a sua vida.
 Faleceu em 09 de junho de 1970, aos 60 anos em São Paulo, após longa e dolorosa doença. Deixou como exemplo, acima de tudo a sua preocupação com a sua região, dedicando todos os seus esforços para que as nossas cidades tivessem a infraestrutura de que hoje dispõe para o seu desenvolvimento.








sexta-feira, 11 de março de 2016

ARTHUR LOURENÇO



FAZ DIAS QUE ALGO TREME EM MEU ÍNTIMO NAS MADRUGADAS... É COMO SE OUVISSE ALGO SUTILMENTE DENTRO DE MINHA CABEÇA... É UM LEVE SOPRO... MAS INTENSO O BASTANTE PARA DESESTRUTURAR A MINHA ALMA, POR VEZES EM AFLIÇÕES E DIÁLOGOS SECRETOS, COMIGO MESMA... COM MEUS ANCESTRAIS... E ENTRE SUORES E MOVIMENTOS QUE AINDA NÃO COMPREENDO... ENTRE PRESENÇAS TÃO AFLITAS QUANTO EU MESMA... NA VASTIDÃO DO AMOR AINDA NÃO VIVIDO... LATENTE, PULSANTE, TURBULENTO! NAVEGANDO POR MARES DE ÁGUAS TURBULENTAS... ACIMA DAS VONTADES CONCRETAS.
 OBSERVO-ME EM MINHA CAMA A CONTORCER-ME! ESTOU LIBERTA! CAMINHO EM BUSCA DE ARTHUR LOURENÇO. TIO AVÔ RESSURGIDO DE INVISÍVEIS TRAÇOS NA MINHA MEMÓRIA... 
 PARECIDO COMIGO EM SUAS FUGAS! PARECIDO COMIGO EM SUAS BUSCAS! PARECIDO COMIGO NO QUE GUARDA EM SEUS OLHOS... OLHOS DE ROMANCE. AFLIÇÕES DOS DESEJOS QUE A ALMA GUARDA E RECOLHE... A ESPERAR A EXPLOSÃO... ANSIEDADE!
 EM MOMENTOS ASSIM, CECÍLIA MEIRELES PASSEIA POR MIM... DENTRO E FORA... NUM ENTRA E SAI CONSTANTE A LEMBRAR-ME DE ALGO FUNDAMENTAL PARA MINHA LINHAGEM DE SANGUE INDIO: "... ADESTREI-ME COM O VENTO E MINHA FESTA É A TEMPESTADE".
 FOI ASSIM COM CADA UM DE NÓS... A CADA GERAÇÃO QUE ME ANTECEDEU!
 PARECIDOS NA AFRONTA E SEMPRE FORA DOS PADRÕES!
 RELUTANTES EM CONFORMAR-NOS. SANGUE DE BUSCAS!
 CONCEBIDOS EM FOGO E LAPIDADOS NA PEDRA... DOR!
 EMBEBIDOS EM FANTASIAS E SEIVAS SUAVES... AMOR!
 DEPURADOS NA EMBRIAGUEZ DA ALMA... BRUXAS EM FUROR!
 INEBRIADOS PELO MATO E PELA CHUVA... LOUCURA!
 PERFUMADOS EM ÁGUAS DO PASSADO... ÊXTASE EM FLOR!
 VEJO PARTÍCULAS DE ARTHUR NA GRANDE MANGUEIRA SOBE A QUAL SENTAVA-SE COM PARTE DA FAMÍLIA PARA DEGUSTAR BANANAS...NAQUELE SANATÓRIO DE DEMENTES EM DURA ESPERA! ALMA DE MINHA ALMA A GRITAR POR MIM... CONSIGO OUVI-LO AGORA...
POR DEUS! EU O AMO TANTO! QUERO QUE CONSIGA OUVIR MEU CORAÇÃO GRITANDO ISSO!
PRESIDENTE PRUDENTE O RECEBEU EM SEUS ÚLTIMOS TEMPOS. SOB A VELHA MANGUEIRA... QUIETO... PERFUMADO DE FOLHAS JÁ SECAS E MORTAS... COM TODAS AS SOMBRAS DA BOA VISTA.
OLHANDO SEM VER! SEMPRE ELEGANTE. UM GALANTEADOR RESGUARDADO. SENSUALIDADE VELADA! AINDA PROIBIDA!
 SE FOI DO NOSSO MEIO...
E VOLTOU PARA O VELHO POMAR DE MEU AVÔ... REVIVE ONDE PLANTAVA... ONDE ENXERTAVA... AH! ALQUIMISTA DAS PLANTAS!
 VEREDAS QUE PARTEM DOS ABACATEIROS, TRILHOS PELOS QUAIS PASSEAMOS JUNTOS ATÉ O VELHO CATETO ONDE VIVEU... OUÇO SEUS PASSOS AO MEU LADO... SUA VOZ VIBRA DENTRO DE MIM. SUA RESPIRAÇÃO NO MEU RITMO... DOIS PULSARES! SOMOS UM!
ABRAÇA-ME LONGAMENTE...
E ME PEDE BEIJANDO AS PALMAS DAS MINHAS DUAS MÃOS:
 " VOCÊ JÁ ESTÁ JÁ ADESTRADA POR TANTOS VENDAVAIS. AGORA FESTEJE NA TEMPESTADE QUE CHEGOU! ELA É A SUA TEMPESTADE! A TEMPESTADE PELA QUAL VOCÊ PEDIU, IMPLOROU E ESPEROU! VEIO DESTRUIR E RECONTRUIR O SEU SER! VEIO LHE TRAZER VIDA!"
 E ASSIM RESTAURO TODO O MEU SER NESSE ENCONTRO COM ARTHUR... E DIGO A ELE QUE O AMO, QUE SOMOS ALMAS DE MESMA LINHAGEM. QUE SIM, APAIXONE-ME, NÃO ABRO MÃO... QUERO O SENTIMENTO E NÃO MAIS A RAZÃO! QUE CONCEBEU-ME A TEMPESTADE! PARIU-ME O SEU ESTRONDO!
 E POR FIM, DIGO QUE SOMOS LOUCOS. E É NA NOSSA LOUCURA QUE CARREGAMOS A NOSSA SANTA REDENÇÃO!
 
 CÉLIA MOTTA
 
 
 

 

quinta-feira, 10 de março de 2016

"ALFREDO GUEDES EM 1940"


 
ESTÃO NA IMAGEM: O FILHO DE ERNESTO E JULIETA CORDEIRO, CONHECIDO COMO "GIBÍ", A BELÍSSIMA "DITA", FILHA DE LAU E CATARINA, SEU PEQUENO IRMÃO JOÃO, E AS GRACIOSAS IRMÃS CENIRA E EDITHE, FILHAS DE LAZINHA E JOSÉ LOURENÇO DA SILVA.
 E LÁ NA ANTIGA PONTE A ALEGRIA REINAVA EM SUBLIMES SORRISOS... SORRISOS QUE NÃO PASSARAM, ECOAM AINDA SOB, SOBRE E AO REDOR DA PONTE.
 JUVENTUDE QUE PARTICIPOU DE CERIMÔNIAS RELIGIOSAS NA PEQUENÍSSIMA CAPELINHA DE SÃO BENEDITO NA CONGREGAÇÃO DO MENINO JESUS, JUVENTUDE QUE ASSISTIU À CONSTRUÇÃO DA IGREJA DE SÃO BENEDITO QUE HOJE ESTÁ AQUI... AH! AS ANTIGAS PROCISSÕES! OS ANDORES SINGELAMENTE ENFEITADOS COM GRAÇA E BELEZA, CORES QUE NÃO DESBOTARAM NA MEMÓRIA ANTIGA. JUVENTUDE QUE ESTEVE PRESENTE NA INAUGURAÇÃO DA CAPELA DA BOA VISTA DA FAMÍLIA ROSSI... JUVENTUDE QUE VIU O BALANÇAR DAS BELAS CORTINAS DA CAPELA, COMPRADAS EM BAURU PARA ADORNAR A MÍSTICA FAZENDA BOA VISTA!
 E LÁ NOS ALTOS DA ALFREDO GUEDES GUARDIÃ, BICHOS DA SEDA ESPERAVAM ESTES MENINOS E MENINAS PARA SEREM TRATADOS. ESPERANDO... ACALENTADOS SOB O SOL DAS SAUDOSAS MANHÃS...  DENTRO DA CASA ONDE HOJE ESTÁ INSTALADO O NOSSO MEMORIAL, DONA ADÍ E JOSÉ VIRANDA, PROFESSORES DO NOSSO GRUPO ESCOLAR, DIVIDIAM SEUS APOSENTOS COM OUTRO CASAL, ANTONIO DE SOUZA PINTO, CONHECIDO COMO PROFESSOR TONINHO E SUA ESPOSA LOURDES BORANELLI, FUNCIONÁRIA DO NOSSO VELHO CARTÓRIO.
 IMAGINEM, A MÁGICA CASA AZUL JÁ ABRIGARA EM MEIO A NINHOS DE AMOR, BICHOS DA SEDA... NOBRES CASULOS... AMORES QUE PAIRAM AINDA NA CASA ENCANTADA... ENERGIAS DISPERSAS NO QUINTAL... LEMBRANÇAS EM FORMA DE ENERGIA QUE AINDA INEBRIAM O LUGAR... BICHOS DE SEDA ALFREDOGUEDENSES!
 AS PRIMEIRAS VEZES QUE OUVI TAIS RELATOS, FOI AINDA EM TENRA INFÂNCIA, COM A MINHA MÃE LENDO PARA MIM... MINHAS PRIMEIRAS VOZES SURREAIS...
 ERA UMA HISTÓRIA CHINESA SOBRE BICHOS DA SEDA, SOBRE O NOBRE TECIDO DE TOQUE MACIO E APARENCIA EXUBERANTE... LEMBRO-ME DO LIVRO... REPLETO DE ILUSTRAÇÕES COLORIDAS... MINHA MÃE FAZIA PEQUENAS PARADAS E MESCLAVA O CONTO À MÁGICA REALIDADE DE NOSSA ALFREDO GUEDES.
 SEMPRE MUITO PREOCUPADA EM ME DESPERTAR PARA O HORIZONTE DA LEITURA...
 ALMAS EUFÓRICAS, ESPÍRITOS SAUDOSOS, SORRISOS ENCANTADOS, AMORES ETERNOS, BICHOS DE NOBRE ESTIRPE, OLHARES QUE VAGAM LANGUIDAMENTE, VIAGENS PELO TEMPO, BELEZAS QUE VOLTAM, ESPAÇOS MUTANTES!
 É DISSO QUE SOMOS FEITOS! TRANSCENDÊNCIA QUE NOS FAZ FORTES E ATEMPORAIS!
 

CÉLIA MOTTA